Qual a melhor maneira de pedir conexão no Linkedin?

Eu preciso ser formal ao me conectar com uma pessoa no LinkedIn? Como solicitar conexão sem ser tão enfadonho para quem está recebendo o convite? Neste, te dou as principais dicas para você solicitar novas conexões no LinkedIn, a fim de obter grandes oportunidades. Fique sempre ligado às novidades do portal e tenha uma boa leitura! 

Caso também queira ter acesso a todo o conteúdo sobre o tema e outros conteúdos, assista também ao vídeo abaixo, e não se esqueça de se inscrever no meu canal, Carolina Dostal, para ficar sempre atualizado.

O LinkedIn é uma plataforma bem inteligente. Mas muitas pessoas ainda querem sair conectando com vários usuários, sem prestar atenção com quem eles estão conectando de verdade. Até que o próprio LinkedIn começa a considerar que tem uma movimentação diferente e que os usuários estão querendo conectar com pessoas aleatórias. 

A ideia do LinkedIn é criar relacionamentos verdadeiros, uma vez que se a gente sai pedindo conexão para todo mundo e não personaliza esse pedido de conexão, o usuário que recebe esse pedido de conexão tem duas opções: ou aceita, ou te ignora. 

Em muitos casos, ele pode falar que nem conhece essa pessoa e você pode ser encarado como um spammer – alguém que está tentando pedir conexão para todo mundo como se fosse um robô.

Essa atitude um tanto quanto inconveniente pode até ter a sua conta a ser suspensa. Muito cuidado com isso! Ninguém quer ter a conta suspensa!

Eu, Carolina Dostal, enquanto especialista de LinkedIn, já recebi várias ligações de pessoas que tiveram a conta suspensa, e nem conto pra vocês como foi pra recuperar a conta. Às vezes, as pessoas nem conseguem recuperar a conta. Cuidado!

Conheça bem o seu público

Se você têm uma estratégia concisa no LinkedIn e  sabe o público que deseja alcançar, fica ainda mais fácil de se aproximar desse público. Mas isso tem que ser feito aos poucos, já que vocês vão intencionar conhecer essas pessoas, seus gostos, e, de fato, a construir um relacionamento mais próximo. 

Imagine que você queira se conectar com Felipe – profissional que trabalha na empresa iFood, por exemplo. Ele é da área de Marketing, estudou na Faculdade Estácio e fez pós-graduação na FGV.

Em um de seus artigos do LinkedIn, ele escreveu sobre um assunto que te agradou muito. Então, o que você vai fazer? Eu te dou a dica de seguir alguns passos.

  • Você vai se apresentar de uma forma breve (nada de chegar para ele e falar para ir no seu perfil e dar uma olhada);
  • Coloque um pouco da sua personalidade nesse convite;
  • Mostre um pouquinho sobre quem você é, o que você faz de forma breve;
  • Não escreva um livro inteiro para a pessoa ter que ler, porque as pessoas têm pouco tempo;
  • Ao final disso, não seja muito formal, também, porque tem gente que odeia ser muito formal.


Não seja tão formal no LinkedIn, mas seja respeitoso

Eu estava ouvindo a história de um amigo que é professor. Ele pediu uma proposta para uma consultora. Ele deseja fazer convênio para o pai dele e ela já iniciou a mensagem com um “Prezados tal tal tal….”.

Essa consultora não teve o feeling de perceber que ele não era uma pessoa tão formal. Então, a gente tem que conhecer o nosso público para entender a linguagem que a gente vai usar.

Assim, você pode se despedir falando para pessoa qual seria o próximo passo que você deseja fazer. No caso, a intenção é conversar com essa pessoa. Mas, para isso, seja breve, sincero e impute a sua personalidade neste convite.

Vocês vão perceber o seguinte: muitas pessoas recebem convites para se conectarem no LinkedIn, mas poucas recebem convites com personalização. Isso faz toda a diferença.

Quer tirar o máximo de proveito do LinkedIn? Conheça meu curso online DESTRAVE SEU LINKEDIN.

Caso tenha alguma necessidade específica, entre em contato e agende uma consultoria.

Curtiu o assunto de hoje? Por isso, esperamos que você tenha gostado do conteúdo e não se esqueça: continue acessando frequentemente o site para que você possa ter acesso a todos os conteúdos disponibilizados na plataforma. Até mais! 

Conteúdo e revisão por Carolina Dostal      

Matéria escrita: Carlos Augusto Júnior